Centro Pai João de Angola

Oração do Perdão Buscando eliminar todos os bloqueios que atrapalham minha evolução,

dedicarei alguns minutos para perdoar. A partir deste momento,

eu perdôo todas as pessoas que de alguma forma me ofenderam,

injuriaram, prejudicaram ou causaram dificuldades desnecessárias.

Perdôo, sinceramente, quem me rejeitou, odiou, abandonou, traiu, ridicularizou, humilhou, amedrontou, iludiu. Perdôo, especialmente, quem me provocou até que eu perdesse a paciência e reagisse violentamente, para depois me fazer sentir vergonha, remorso e culpa inadequada.

Reconheço, que também fui responsável pelas agressões que recebi, pois várias vezes confiei em indivíduos negativos, permiti que me fizessem de bobo e descarregassem sobre mim seu mau caráter.

Por longos anos suportei maus tratos, humilhações, perdendo tempo e energia, na tentativa inútil de conseguir um bom relacionamento com essas criaturas.

Já estou livre da necessidade compulsiva de sofrer, e livre da obrigação de conviver com indivíduos e ambientes tóxicos. Iniciei agora, uma nova etapa de minha vida, em companhia de gente amiga, sadia e competente: quero compartilhar sentimentos nobres, enquanto trabalhamos pelo progresso de todos nós.

Jamais voltarei a me queixar, falando sobre mágoas e pessoas negativas.

Se por acaso pensar nelas, lembrarei que já estão perdoadas e descartadas de minha vida íntima definitivamente. Agradeço pelas dificuldades que essas pessoas me causaram, que me ajudaram a evoluir, do nível humano comum ao espiritualizado em que estou agora.

Quando me lembrar das pessoas que me fizeram sofrer, procurarei valorizar suas boas qualidades e pedirei ao Criador que as perdoe também, evitando que sejam castigadas pela lei da causa e efeito, nesta vida ou em outras futuras.

Dou razão a todas as pessoas que rejeitaram o meu amor e minhas boas intenções, pois reconheço que é um direito que assiste a cada um me repelir, não me corresponder e me afastar de suas vidas. (Fazer uma pausa, respirar profundamente alguma vezes, para acúmulo de energia) .

Agora, sinceramente, peço perdão a todas as pessoas a quem, de alguma forma, consciente e inconscientemente, eu ofendi, injuriei, prejudiquei ou desagradei.

Analisando e fazendo julgamento de tudo que realizei ao longo de toda a minha vida, vejo que o valor das minhas boas ações é suficiente para pagar todas as minhas dívidas e resgatar todas as minhas culpas, deixando um saldo positivo a meu favor.

Sinto-me em paz com minha consciência e de cabeça erguida respiro profundamente, prendo o ar e me concentro para enviar uma corrente de energia destinada ao Eu Superior. Ao relaxar, minhas sensações revelam, que este contato foi estabelecido.

Agora dirijo uma mensagem de fé ao meu Eu Superior, pedindo orientação, em ritmo acelerado, de um projeto muito importante que estou mentalizando e para o qual já estou trabalhando com dedicação e amor.

Agradeço de todo o coração, a todas as pessoas que me ajudaram e comprometo-me a retribuir trabalhando para o meu bem e do próximo, atuando como agente catalisador do entusiasmo, prosperidade e auto realização.

Tudo farei em harmonia com as leis da natureza e com a permissão do nosso Criador, eterno, infinito, indescritível que eu, intuitivamente, sinto como o único poder real, atuante dentro e fora de mim.

Assim seja, assim é e assim será.

Vovó Catarina

Os tambores tocavam o ritmo cadenciado dos Orixás, e nós dançávamos.
Dançávamos todos em volta da fogueira improvisada ou à luz de tochas ou
velas de cera que fazíamos. A comida era pouca, mas para passar a fome nós
dançávamos a dança dos Orixás. E assim, ao som dos tambores de nosso povo,
nos divertíamos, para não morrer de tristeza e sofrimento. Eu era chamada de
feiticeira. Mas eu não era feiticeira, era curandeira. Entendia de ervas,
com as quais fazia remédios para o meu povo, e de parto; eu era a parteira
do povo de Angola, que estava errando naquela terra de meu Deus. Até que
Sinhazinha me tirou do meu povo. Ela não queria que eu usasse meus
conhecimentos para curar os negros, somente os brancos; afinal, negro -
dizia ela - tinha que trabalhar e trabalhar até morrer. Depois, era só
substituir por outro. Mas Dona Moça não pensava assim. Ela gostava de mim, e
eu, dela. Fui jogada num canto, separada dos outros escravos, e todas as
noites eu chorava ao saber que meu povo sofria e eu não podia fazer nada
para ajudar. De dia eu descascava coco e moía café no pilão. À noite eu
cantava sozinha, solitária. E ouvia o cantar triste de meu povo, de longe.
Ouvia o lamento dos negros de Angola pedindo a Oxalá a liberdade, que só
depois nós entendemos o que era. E os tambores tocavam o seu lamento triste,
o seu toque cadenciado, enquanto eu respondia de meu cativeiro com as rezas
dos meus Orixás. A liberdade, que era cantada por todos do cativeiro, só
mais tarde é que nós a compreendemos. A liberdade era de dentro, e não de fora.

Aqueles eram dias difíceis, e nós aprendemos com os cânticos de Oxóssi e as
armas de Ogum o que era se humilhar, sofrer e servir, até que nosso espírito
estivesse acostumado tanto ao sofrimento e a servir sem discutir, sem nada
obter em troca, que, a um simples sinal de dor ou qualquer necessidade, nós
estávamos ali, prontos para servir, preparados para trabalhar. E nosso Pai
Oxalá nos ensinou, em meio aos toques dos tambores na senzala ou aos
chicotes do capitão, que é mais proveitoso servir e sofrer do que ser
servido e provocar a infelicidade dos outros.

Um dia, vítima do desespero de Sinhá, eu fui levada à noite para o tronco,
enquanto meus irmãos na senzala cantavam. A cada toque mais forte dos
tambores, eu recebia uma chibatada, até que, desfalecendo, fui conduzida nos
braços de Oxalá para o reino de Aruanda. Meu corpo, na verdade, estava
morto, mas eu estava livre, no meio das estrelas de Aruanda. Em meu espírito
não restou nenhum rancor, mas apenas um profundo agradecimento aos meus
antigos senhores, por me ensinar, com o suor e o sofrimento, que mais
compensa ser bom do que mau; sofrer cumprindo nosso dever do que sorrir na
ilusão; trabalhar pelo bem de todos do que servir de tropeço. Eu era agora
liberta, e nenhum chicote, nenhuma senzala poderia me prender, porque agora
eu poderia ouvir por todo lado o barulho dos tambores de Angola, mas também
do Kêtu, de Luanda, de Jêje e de todo lugar. Em meio às estrelas de Aruanda
eu rezava. Rezava agradecida ao meu Pai Oxalá.

Fui pra Aruanda, lugar de muita paz! Mas eu retomei. Pedi a meu Pai Oxalá
que desse oportunidade pra eu voltar ao Brasil pra poder ajudar a Sinhá,
pois ela me ensinou muita coisa com o jeito dela nos tratar. E eu voltei.
Agora as coisas pareciam mudadas. Eu não era aquela nega feia e escrava. Era
filha de gente grande e bonita, sabia ler e ensinava crianças dos outros. Um
dia bateu na minha porta um homem com uma menina enjeitada da mãe. Era muito
esquisita, doente e trazia nela o mal da lepra. Tadinha! Não tinha pra onde
ir, e o pai desesperado não sabia o que fazer. Adotei a pobre coitada, fui
tratando aos poucos e, quando me casei, levei a menina comigo. Cresceu, deu
problema, mas eu a amava muito. Até que um dia ela veio a desencarnar em
meus braços, de um jeito que fazia dó. Quando eu retomei pra Aruanda, o que
vocês chamam de plano espiritual, ela veio me receber com os braços abertos
e chorando muito, muito mesmo. Perguntei por que chorava, se nós duas agora
estávamos livres do sofrimento da carne, então, ela, transformando-se em
minha frente, assumiu a feição de Sinhazinha! Ela era a minha Sinhá do tempo
do cativeiro. E nós duas nos abraçamos e choramos juntas. Hoje, trabalhamos
nas falanges da Umbanda, com a esperança de passar a nossa experiência pra
muitos que ainda se encontram perdidos em suas dificuldades.

  • Ao mestre com carinho
  • Ogum
  • Oxum
  • Yansã
  • oracões
  • Xangô
  • Yemanjá
  • Oxossi
  • Oxalá
  • Oxumarê
  • Preto-velhos
  • Caboclos
  • Boaideiros na Umbanda
  • Baianos na Umbanda
  • Marinheiros
  • Pomba Gira
  • Maria Padilha
  • Oração de exu
  • Banhos de descarregos
  • pontos-riscados-Exu
  • História de Rei Congo
  • Pontos Cantados Orixás
  • Pontos cantados Diversos
  • Maria Redonda
  • Sitemap
  • Mensagem de Zé Pilintra
  • Pai José da Guiné
  • Exu Capa Preta
  • Exu das Sete Encruzilhadas
  • Exu morcego
  • Exu Meia Noite
  • Mensagem de Pai joão de Angola
  • Conselhos de Pai joao de Angola
  • pai-joao
  • Oração a Pai joão de Angola
  • Atribuição dos Preto-velhos
  • CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA
  • Histórias de Vovó Luiza
  • Quem Somos
  • Linha de Caboclos
  • Livro de Visitas 1
  • Ogum Rompe Mato
  • Ogum Yara
  • Altar Virtual dos Orixás
  • Altar Virtual
  • Descubra seu Orixá
  • Altar Virtual de Exu
  • Altar virtual de Ogum
  • Altar virtual de Oxum
  • Altar virtual dos Preto-velhos
  • Altar de Nossa Senhora
  • Ogum vencedor de Demanda
  • Fundamentos
  • OS TRABALHOS DESENVOLVIDOS
  • Cartão de Visitas
  • livro-de-visitas-2
  • Orações 2
  • Os dez maiores erros cometidos por médiuns umbandi
  • A Saída dos Orixás
  • A História de vovô Benedito
  • Oferendas de Oxum
  • Textos de Umbanda
  • Oferenda de Xangô
  • Oferendas de Ogum
  • Oferenda de oxossi
  • a-mediunidade-os-orixás-e-os-caboclos
  • orações diversas
  • Oração ao Pai João de Angola
  • oração a escrava anastacia
  • ORAÇÃO A PAI BENEDITO DE ARUANDA
  • Oração a Maria Bueno
  • Oração a Tia Maria de Minas
  • Oração ao caboclo 7 flexas
  • Oração ao caboclo boiadeiro
  • Oração ao seu Zé Pilintra
  • Oração a são cosme e damião
  • Oração para fechamento de corpo
  • Oração a cabocla Jurema da praia
  • Oração ao Divino Espirito Santo
  • ORAÇÃO AOS PRETOS VELHOS – I
  • oração a Oxalá
  • Prece à tia Rita da Bahia
  • Oração dos Preto velhos-4
  • Oração dos Preto velhos 3
  • Oração dos preto velhos 2
  • Oração do Perdão
  • Para teu Lar
  • Prece de Caritas
  • Orações a Yemanjá
  • orações a Oxossi
  • Prece a xangô
  • Orações a santa Barbara
  • Orações a Yansã
  • Oração da Pomba-gira
  • Oração de São jorge
  • Oração a Oxum
  • Oração para cura de traumas emocionais e decepções
  • Oração para começar o dia
  • ORAÇÃO FORTE E PODEROSA CONTRA INIMIGOS E INVEJA
  • Pai Nosso Umbandista
  • Creio em Deus Pai na Umbanda
  • Oração aos Orixás
  • Oração ao anjo da guarda
  • Pedido de Proteção
  • Oração poderosa de Pai joão
  • Oração à Nossa Senhora da Cabeça
  • Oração a Bezerra de Menezes
  • Oração ao Poderoso Santo Expedito
  • Oração à São José Operário
  • Oração a São Miguel Arcanjo
  • Oração para abrir caminhos
  • Oração ao sete Encruzilhada
  • Abertura dos trabalho 2
  • Prece de Abertura dos trabalhos
  • Prece ao Caboclo Sete Estrelas
  • Oração ao Caboclo Ventania
  • Caboclo 7 Pedreiras
  • PRECE A POMBA-GIRA
  • oração a tranca rua das almas
  • Prece ao Pai João da Mata
  • Oração ao Caboclo
  • Oração a Boiadeiro
  • Oração as sete linhas
  • ORAÇÃO DO PAI JOSÉ DE ARUANDA
  • Oração ao Pai Joaquim
  • Oração do baiano Corisco
  • BENZEDURA CONTRA O MAU-OLHADO INVEJA E QUEBRANTO
  • ORAÇÃO PARA BÊNÇÃO DO LOCAL DE TRABALHO OU LAR
  • ORAÇÃO PARA PEDIR FÉ
  • Oração aos Pretos Velhos e Pretas Velhas
  • Oração a Santa Sara Kali
  • Os Filhos de Omolu
  • Ebó para Yansã
  • Comida de Xangô
  • Lendas de Iansã com Ogum
  • Pontos cantados de Pomba-gira em Videos
  • ORIXÁS EXÚ E OGUM
  • Sem Exu não se Faz nada
  • OS FILHOS DE EXÚ
  • Pontos Cantados de Oxala Videos
  • Pontos Cantados de Ogum Videos
  • Pontos Cantados de Oxum Videos
  • Pontos Cantados de Yemanjá Videos
  • Pontos Cantados de Oxossi Videos
  • Galeria de Videos
  • Pontos Cantados de Xangô videos
  • Pontos Cantados de Yansã videos
  • PORQUE OS EXUS RIEM
  • Videos de Preto velhos
  • Cigano Pablo
  • Cigana esmeralda
  • Mensagem de Ogum
  • Ogum Beira Mar
  • Altar na Umbanda
  • A tristeza dos Orixás
  • Amor palavra de ordem na gira
  • AS FALANGES DE TRABALHO NA UMBANDA
  • ASSISTÊNCIA
  • exu não e fofoqueiro
  • ATITUDE INTERIOR
  • BANDEIRA BRANCA DE OXALÁ
  • Cantos e Palmas num Terreiro
  • Como acontece a Gira
  • conduta moral
  • CONDUTA NO TERREIRO DE UMBANDA
  • Conflitos
  • Conflitos Familiares
  • Como ler escutar ou observar e saber se aquilo é
  • Cores e a Umbanda
  • Cumprimentos e Posturas
  • De Olhos Fechados
  • Deus não te Fez para sofrer
  • Deus salve a Umbanda
  • Página em Atualização
  • EGUNS E QUIÚMBAS
  • ELEMENTOS DO TERREIRO DA UMBANDA
  • ENTENDENDO A INVEJA
  • ESPIRITUALIDADE E CONSCIÊNCIA
  • EXPRESSÕES USADAS NA UMBANDA
  • EXU NÃO É DIABO
  • falta de doutrina e de complemetimento
  • Faz caridade fio
  • Os perigos e conseqüências da mediunidade mal orie
  • O DIA DE FINADOS NA UMBANDA
  • Fazer o bem sem ver a quem
  • Os Médiuns são Parceiros
  • Fumos e Bebidas
  • Fundamentação Doutrinária
  • GUIAS E COLARES
  • Hierarquia na Casa de Umbanda
  • Humildade
  • Jogaram uma carga pesada pra cima de mim
  • O maior inimigo da Umbanda
  • Mediunidade na Umbanda
  • Mediunidade um passo de cada vez
  • Mensagem do Caboclo Sete Flechas
  • MIRONGA DE PRETO VELHO
  • Não abandone seu posto de serviço
  • Normas dos Terreiros
  • Nossos Umbigos
  • Linha de Esquerda Exu e ´Pomba-Gira
  • O pequeno universo do umbandista
  • O Perdão Não tem Contra-indicação
  • O Templo Que Vos Acolhe
  • obrigações na umbanda
  • OBRIGADO VOVÔ
  • ORAÇÃO DO UMBANDISTA
  • Orixá de Cabeça
  • Os Caboclos na Lição de Pai João
  • Os Orixás se Manifestam em Nós e Através de Nós
  • Oração de Ogum Xoroquê
  • .