Centro Pai João de Angola

Ponto Cantado de preto Velho

Meu cachimbo está no toco Manda moleque buscar!

No alto da derrubada Meu cachimbo ficou lá! Quem não pode com a mandinga não carrega Patuá. Na aroeira de Vô Benedito Preto velho mandou me chamar.

Chama chama chama na aroeira de Vô Benedito.

La no mato tem flores tem rosário de

Nossa senhora. Na aroeira de Vô Benedito, Vô Benedito que nos valha nessa hora. Está iluminada a nossa Umbanda Está cheio de flor no seu Gongá, Vô Benedito sabe tudo que eu faço Vovô Benedito ilumina os caminhos por onde eu passo.


    Vovô Benedito da Calunga é um doce, carinhoso, brincalhão e
sorridente Preto Velho, que trabalha para a caridade na Umbanda,
trazendo esperanças para os filhos que se encontram sem caminho a
seguir, trazendo alegrias para quem se entregou as tristezas, trazendo
forças para seguirmos adiante sempre com fé em Deus.

    E como ele faz tal coisa?

    Apenas com suas palavras, seu sorriso de criança levada, suas
histórias do seu tempo de cativeiro, suas lições de vida e sua fé.

    Mas quem foi e esse ser tão iluminado e divino?

    Vovô Benedito foi um negro escravizado, pela covardia dos
senhores escravocratas, e teve sua ultima encarnação vivendo entre o
final do século XVIII e o século XIX.

    Essa história de fé começou, quando Benedito nasceu em uma senzala
de uma grande fazenda cafeeira, por alguma localidade dentro do
Sudeste do Brasil.

    Como naquela época as mulheres escravizadas começavam a reproduzir
muito cedo e continuamente, o corpo não conseguia uma recuperação
adequada, e por esse motivo muitas delas desencarnavam na hora do
parto, sendo esse feito sem muitos cuidados, ocasionando vários tipos
de problemas a saúde e ao corpo físico.

    E foi assim que a mãe de nosso Benedito fez o desencarne, deixando
seu fruto com alguns poucos minutos de vida.

    Ao ver sua companheira emitindo os últimos suspiros antes de ser
entregue aos braços da tão temida morte, o pai do pequeno Benedito,
que era um negro forte e corajoso, caiu em desespero, e aos gritos
clamou por ajuda chamando pelas negras mais experientes como
parteiras, mas já era tarde demais.

    Seus gritos de desespero se tornaram gritos de ira e ódio,
chamando a atenção dos feitores algozes, que ao adentrarem na senzala
foram atacados pelo negro em desespero.

    O negro corajoso não temendo pela sua vida foi ao encontro de
forma a atacar os feitores, mas esses o prenderam e o levaram ao
tronco, aguardando as ordens do poderoso Coronel cafeicultor.

    E do tronco para a morte, após centenas de chibatadas, o negro se
foi, fazendo assim do pequeno Benedito órfão no seu primeiro dia de
vida.

    Após esse acontecido, uma negra de nome Joaquina, já mulher
madura, decide que ela a partir dessa data faria de tudo para proteger
o pequeno Benedito, nome que a própria Joaquina escolheu.

    Benedito crescia, aos cuidados da velha Joaquina, conhecida também
como a velha feiticeira da fazenda. Ela o ensinava as magias dos
negros africanos, as benzeduras para os males físicos e espirituais, a
arte da cura através das ervas e raízes.

    E assim Benedito ia crescendo, se tornando amado por seus irmãos
de cor, aprendendo as lições da vida pelos velhos negros, aprendendo
a entender o que os ventos queriam dizer, o que as estrelas nos
indicavam, o que a lua poderia nos ajudar, enfim, tudo que era
dominado pelos Orixás ele buscou entender, não para simplesmente
saber, mas para poder com isso auxiliar seus irmãos escravizados, e
tentar acalentar um pouco a dor de tanto desamores com os negros.

    Já com 5 anos de idade, Benedito começa a frequentar a sede da
casa grande, onde residiam o Coronel cafeicultor, sua esposa, e o
jovem coronel, filho do casal, com sua esposa.

    E também nessa época nascia a grande companheira do menino
escravizado, a pequena menina, única neta do coronel cafeicultor, que
anos mais tarde se tornaria além da protetora dos negros escravos, a
grande paixão do negro Benedito.

    Benedito através da velha Joaquina foi conduzido a fazer pequenas
tarefas, e assim não ficaria sobre o forte sol das grandes e
intermináveis plantações de café, algodão, cana de açúcar, entre
outras.

    E assim ele foi crescendo sobre os olhos de sua mãe de coração, e
de todos os que residiam na casa grande. inclusive da pequena menina
que já era conhecida como a "sinhazinha da fazenda".

    Benedito já crescido, após saber da história de seus pais, e saber
que seus corpos inertes foram jogados ao fundo de um grandioso lago,
nas imediações da fazenda, tomou para si a responsabilidade e a missão
de sepultar dignamente os corpos de todos escravos, que viessem a
desencarnar, seja de modo natural, ou de modo brutal nos açoites e
troncos de castigo corporais na qual todos escravizados sofriam nas
mãos de seus algozes e famigerados feitores e coronéis.

    E foi assim que ele, retirava esses corpos das imediações do
grande lago, das dezenas de troncos espalhados por intermináveis
terras da grandiosa fazenda, das senzalas fétidas, e os conduziam para
a mãe terra, numa cova, muitas das vezes cavada com as próprias mãos.

    Dali ele fazia longas rezas clamando ao Orixá Omulú para que
encaminhasse o espírito de seus irmãos desencarnados para os braços
paternais de Oxalá.

    E assim esse pedaço de terra ficou conhecido como a "Calunga do
Benedito", e com o passar dos anos sendo conhecido como "A Calunga do
Vovô Benedito", e ai a linha após seu desencarne ser da Calunga
Pequena, sendo conhecido dentro dos trabalhos da Umbanda como "Vovô
Benedito da Calunga Pequena".

    Outro fato que chamou muita atenção desse nobre negro escravizado,
era seu amor pelos seus irmãos negros. Por centenas de vezes Benedito,
trocaria de lugar com algum negro açoitado no tronco. Ao perceber que
algum negro estava no tronco pelo motivo que fosse, e esse negro não
mais resistia ser açoitado pelos feitores, Benedito pedia humildemente
que libertassem seu irmão negro, rogando pela sua vida, e em troca
ele, o próprio Benedito, ficaria no tronco para receber o restante do
castigo.

    Quando era aceito a proposta, Benedito sorria a cada açoitada,
mostrando sua fé, e rogando para Oxalá pelos feitores que o
castigavam, pedindo clemência em nome deles, pois eles eram tão
escravos quanto ele.

    E por esse motivo, após tantos açoites e tantos troncos, o velho
Vovô Benedito, ao chegar em incorporação em um Terreiro de Umbanda,
chega de forma extremamente curvada, se apoiando em sua mão direita,
sem poder ficar ereto, mas isso não tira o brilho de seus olhos,
quando ele chega ouvindo a "curimba", ao som dos atabaques, que o
fazem dançar sorridente.

    Vovô Benedito da Calunga, tinha vários dons, entre muitos o de
fazer feliz as pessoas tristes, contador de casos, rezador de crianças
com males físicos e espirituais, quebrador de magias negras,
encaminhador de espíritos sem luz, sabia reconhecer todas as ervas,
para remédios e banhos de descarrego, além de ser o grande cuidador
e protetor das crianças filhos de escravos.

    E com esse jeito carinhoso, amável,, muito brincalhão e
sorridente, Benedito já com uma idade mais madura, certo dia sofreu a
ira do coronel, que nessa época era um afilhado do pai da sinhazinha,
pois o velho coronel foi tomado por males de uma doença crônica e já
não tinha saúde para comandar a fazenda, e também dos feitores, que o
viam não como um ser especial dentro da espiritualidade, mas como um
negro fanfarrão.

    Benedito, já com a grande admiração na qual a Sinhazinha tinha por
ele, toda vez que ele passava por ela, abria um belo e carinhoso
sorriso, e assim deixando além do afilhado do coronel muito
incomodado, uma legião de feitores raivosos.

Com um terno sorriso ela retribuía o largo sorriso dele, além de
elogiar com a frase rotineira: "Ver seu sorriso pelo amanhecer, é
como ver o sol brilhar mesmo coberto por grandes nuvens escuras. Isso
me alegra bastante".

    Ao ouvir isso o afilhado do coronel ameaçou a Benedito, que a
próxima vez que o negro abrisse o sorriso a linda sinhazinha, ele
mandaria arrancar os seus dentes.

    E numa tarde, Benedito encantado pela beleza de sua sinhazinha,
não se conteve e abriu um belo e largo sorriso ao encontro dela, sem
perceber que estava sendo visto ao longe pelo afilhado do coronel e de
seus jagunços, que de imediato o pegaram e o levaram para o tronco,
açoitando e fazendo cumprir a promessa de arrancar todos os dentes de
sua boca.

    Benedito após torturado, humilhado foi deixado no tronco, sendo
após levado a senzala praticamente sem vida para ser tratado pela sua
mãe de coração, a velha Joaquina, que com extremo esforço, centenas de
ervas, chás, banhos, rezas e muita vigília consegue fazer com que
Benedito se recuperasse, até ficar totalmente são.

    Hoje nas casas de Umbanda ele conta essa história, sem
ressentimento, mas muito agradecido a sua velha e amada Chica pelos
cuidados que teve com ele, além de frisar sempre que em sua boca não
há um dente sequer.

    Vovô Benedito, tinha o grande sonho de sair do cativeiro, tentar
esconderijo no tal sonhado e protegido Quilombo do Rei Congo, por
algumas vezes ele tentara a fuga, mas, ao vir a lembrança de que teria
de deixar para trás a sua querida mãe de coração, a velha Joaquina, e
de não mais poder ver o sorriso de sua sinhazinha, ele desistia, e
novamente voltava ao cativeiro.

    E assim Vovô Benedito passou sua vida, sempre com um sorriso nos
lábios, sempre com uma palavra de consolo a seus irmãos negros, sempre
entregando seu corpo para ser açoitado no lugar de um irmão negro que
já não resistia mais o peso da chibata, sempre protegendo uma criança
negra que poderia ser humilhada, maltratada e muitas vezes morta pelas
mãos dos feitores sem piedade.

    Já idoso, Vovô Benedito, sofre uma das suas maiores tristezas, a
perda de sua Mãe de coração, a velha Joaquina, ou a "Velha Chica",
como ele a chamou a vida inteira, por não conseguir  pronunciar o
nome dela, pois nas tentativas o melhor que conseguia pronunciar era
"velha Jucuína", depois de algumas tentativas, veio a desistência, e
como a Velha Joaquina lhe dera o nome de Benedito, ele lhe batiza de
"Velha Chica", como forma de gratidão, ou forma de fugir do nome, que
para ele era tão complicado pronunciar.

    Vovô Benedito desencarnou com a estupenda idade de 120 anos. 120
anos de chibatas, de troncos, de trabalhos forçados, de grandes
humilhações, mas também de 120 anos de carisma, fé, caridade, alegrias
mesmo nos momentos tristes, mesmo nos momentos de saudades, mesmo nos
momentos de dores, tanto do corpo físico quanto da alma.

    Infelizmente desencarnou sem saber o que era a liberdade, pois seu
desencarne foi no ano de 1887, sendo a assinatura da Lei Áurea no ano
seguinte.

    Hoje Vovô Benedito é uma Entidade de Luz, trabalhadora da linda
Umbanda. Um Preto Velho caridoso, amável, mandingueiro, que nos da
toda a atenção necessária, que nos faz ter esperanças, que nos mostra
caminhos, que nos alegra em momentos de desespero, que nos ensina que
a fé em Deus é o caminho.

    Salve todos os Pretos Velhos!

    Adorei as Almas!

    Saravá Vovô Benedito da Calunga Pequena!

    A sua benção e proteção meu Vovô querido!

ENSINAMENTOS DE MARIA PADILHA DA ENCRUZILHADA DE FÉ

Em certo terreiro de Umbanda, num dia de gira de esquerda, o guia chefe do terreiro, convidou uma moça que havia ido visitar o terreiro, para fazer parte da gira, tudo corria normal quando a sua pomba gira de frente, antes de ir embora pediu permissão para falar a todos os presentes.

Permissão dada, ela começa a falar, deixando assistencia e alguns médiuns, diria eu incucados, enquanto o guia chefe, o Sr. Capa Preta, apenas pedia para que escutassem com atenção, ela amparada por ele, teceu este pequeno discurso:

- Andei meio indignada com tantas futilidades, não imaginam como fica difícil, seguir a nossa missão de ensinar que a Umbanda é uma religião.

Quando muito desanimo, penso nos Orixás amados, que em nós confiaram a importante missão, eles por sua vez quando estes filhos lhes ferem a sensibilidade, lembram-se de Pai Oxalá, lembram-se do Cristo Jesus, e em uma muda prece cicatrizam seus corações.

Porque julgam vocês que os guias foram feitos para satisfazer suas vontades, facilitar-lhes a vida, concretizar suas vinganças mesquinhas?

Porque acreditam os médiuns que são melhores que os outros só porque incorporam, ou tenham qualquer outro tipo de mediunidade?

Porque alguns julgam que raspando a cabeça e deitando, irão se tornar pais ou mães de terreiros?

Quem lhes disse que coisas materiais, ou qualquer sincretismo irão torná-los à altura de um líder religioso? Não sabem que para se tornar um líder tem-se que primeiramente obter evolução espiritual e que esta só vem através de reforma íntima?

Não sabem que o que importa é cumprir uma missão voltada para as necessidades espirituais de cada um, que muito útil é o médium que fica naquele cantinho do terreiro, simples, humilde, mas dono de uma grande firmeza que mesmo não atendendo nenhum consulente dá suporte para que o templo possa funcionar que sua firmeza proporciona condições de muitos serem atendidos sem mesmo terem aberto suas bocas.

Não imaginam que existem infinitos atendimentos feitos fora do terreiro, de tantos e tantos irmãos que por um motivo ou outro não podem se dirigir a um templo ou então não são umbandistas, mas são antes de tudo filhos de Deus Pai, e que nós espíritos trabalhadores sendo de qual seara for, que trabalhamos nas Leis do Pai, não nos importamos com a crença religiosa de cada um, vendo apenas a sua necessidade, e muito precisamos das energias positivas que devem ser emanadas durante os trabalhos espirituais, também aproveitamos os trabalhos para levar para ali espíritos trevosos ou não, endurecidos no ódio, muitos dos quais tão embrutecidos que precisamos do ectoplasma dos médiuns umbandistas, às vezes até da incorporação para que possam mais rapidamente tomar a forma humana, para então depois levá-los para as vias de evolução, ou seja entregá-los a Lei Maior.

Filhos procurem na Umbanda a evolução espiritual, esta é a primordial função de qualquer religião, vocês dirão então quando temos problemas materiais, quando uma faca nos atravessar o peito, não poderemos contar com os guias?

Eu lhes responderei, claro que sim, sempre passaremos a força necessária, sendo permitido lhes abriremos os olhos, afastaremos as energias negativas segundo o merecimento de cada um, mas jamais poderemos interferir em seus carmas no direito de cada um do livre arbítrio.

A caridade deverá ser sempre a primeira preocupação de cada filho e as suas atitudes no dia a dia deverão sempre refletir o seu amor ao próximo.

Bem, já falei demais, existe muito trabalho a ser feito, sei que muitos escutaram sem ouvir, outros tantos ouviram, escutaram, mas duvidam que estas palavras partam realmente de mim, outros poucos escutaram, ouviram e estão a refletir, nestes o solo é fértil, e se ao menos um dentro desses poucos tentarem por em prática eu já me sentirei muito agradecida.

Aos que duvidam que estas palavras partam de mim, os convido a fazer um estudo sério sobre evolução na luz e evolução nas trevas, de qualquer forma sempre haverá médiuns sérios cujos guias os poderão esclarecer. Com uma gostosa gargalhada, Maria Padilha da Encruzilhada de Fé, girou e se foi. No templo um silêncio, seu aparelho que era apenas uma visitante que havia sido convidada para participar, notou algo estranho, demoraram-se alguns minutos para o ritmo dos trabalhos voltar ao normal.

Quando após a gira alguém comentou sobre o acontecido, o aparelho de Maria Padilha sorriu, a conhecia há mais de trinta anos, ela não perderia a oportunidade, como dizia toda hora é hora de plantar, e a semeadura se faz urgente.

Ditado por Maria Padilha da Encruzilhada de Fé

psicografado por Luconi em 06-08-09



aviso
Os textos apresentados na sua maioria foram retirados , da internet. Esse é um espaço onde
colocamos diversos pensamentos e o nosso principal objetivo é a divulgação da nossa Umbanda.
Quando algum texto for de autoria do Centro Pai João de angola, o responsável será indicado; da mesma forma que
fazemos com outros autores que não têm vínculos com a nossa casa...
Comunicado Importante:
Este é um Site totalmente gratuito, sem fim comercial ou lucrativo. Algumas imagens e informações provêm de outros sites na internet. Caso você seja o detentor do Copyright de qualquer uma delas, e deseje que ela seja retirada, por favor, é só nos mandar uma mensagem citando o nome e a localização para sua remoção imediata. Não temos o objetivo de nos apropriar de informações alheias tomando-as como nossa, pelo contrário, sempre que possível, colocaremos o nome do autor abaixo do título para deixar bem claro que a intenção é de divulgar a Umbanda através de textos bem elaborados e esclarecedores. Saiba que o Centro Pai João de Angola está isento de qualquer responsabilidade.
 


"A educação do pensamento é a fonte de todo o equilíbrio interior." Pai João de Aruanda

10 - Pai Benedito.mp3.mp3

Salve 13 de maio dia dos Preto-Velhos.

”(…) Lá vem preto velho descendo a serra com sua sacola
Ele trás um rosário, ele trás uma guia, ele vem de Angola
Eu quero ver vôvô, eu quero ver vôvô
Eu quero ver se filho de pemba tem querer… “
ADOOOOOOREI AS SANTAS E AMADAS ALMAS!

  • Ao mestre com carinho
  • Ogum
  • Oxum
  • Yansã
  • oracões
  • Xangô
  • Yemanjá
  • Oxossi
  • Oxalá
  • Oxumarê
  • Preto-velhos
  • Caboclos
  • Boaideiros na Umbanda
  • Baianos na Umbanda
  • Marinheiros
  • Pomba Gira
  • Maria Padilha
  • Oração de exu
  • Banhos de descarregos
  • pontos-riscados-Exu
  • História de Rei Congo
  • Pontos Cantados Orixás
  • Pontos cantados Diversos
  • Maria Redonda
  • Sitemap
  • Mensagem de Zé Pilintra
  • Pai José da Guiné
  • Exu Capa Preta
  • Exu das Sete Encruzilhadas
  • Exu morcego
  • Exu Meia Noite
  • Mensagem de Pai joão de Angola
  • Conselhos de Pai joao de Angola
  • pai-joao
  • Oração a Pai joão de Angola
  • Atribuição dos Preto-velhos
  • CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA
  • Histórias de Vovó Luiza
  • Quem Somos
  • Linha de Caboclos
  • Livro de Visitas 1
  • Ogum Rompe Mato
  • Ogum Yara
  • Altar Virtual dos Orixás
  • Altar Virtual
  • Descubra seu Orixá
  • Altar Virtual de Exu
  • Altar virtual de Ogum
  • Altar virtual de Oxum
  • Altar virtual dos Preto-velhos
  • Altar de Nossa Senhora
  • Ogum vencedor de Demanda
  • Fundamentos
  • OS TRABALHOS DESENVOLVIDOS
  • Cartão de Visitas
  • livro-de-visitas-2
  • Orações 2
  • Os dez maiores erros cometidos por médiuns umbandi
  • A Saída dos Orixás
  • A História de vovô Benedito
  • Oferendas de Oxum
  • Textos de Umbanda
  • Oferenda de Xangô
  • Oferendas de Ogum
  • Oferenda de oxossi
  • a-mediunidade-os-orixás-e-os-caboclos
  • orações diversas
  • Oração ao Pai João de Angola
  • oração a escrava anastacia
  • ORAÇÃO A PAI BENEDITO DE ARUANDA
  • Oração a Maria Bueno
  • Oração a Tia Maria de Minas
  • Oração ao caboclo 7 flexas
  • Oração ao caboclo boiadeiro
  • Oração ao seu Zé Pilintra
  • Oração a são cosme e damião
  • Oração para fechamento de corpo
  • Oração a cabocla Jurema da praia
  • Oração ao Divino Espirito Santo
  • ORAÇÃO AOS PRETOS VELHOS – I
  • oração a Oxalá
  • Prece à tia Rita da Bahia
  • Oração dos Preto velhos-4
  • Oração dos Preto velhos 3
  • Oração dos preto velhos 2
  • Oração do Perdão
  • Para teu Lar
  • Prece de Caritas
  • Orações a Yemanjá
  • orações a Oxossi
  • Prece a xangô
  • Orações a santa Barbara
  • Orações a Yansã
  • Oração da Pomba-gira
  • Oração de São jorge
  • Oração a Oxum
  • Oração para cura de traumas emocionais e decepções
  • Oração para começar o dia
  • ORAÇÃO FORTE E PODEROSA CONTRA INIMIGOS E INVEJA
  • Pai Nosso Umbandista
  • Creio em Deus Pai na Umbanda
  • Oração aos Orixás
  • Oração ao anjo da guarda
  • Pedido de Proteção
  • Oração poderosa de Pai joão
  • Oração à Nossa Senhora da Cabeça
  • Oração a Bezerra de Menezes
  • Oração ao Poderoso Santo Expedito
  • Oração à São José Operário
  • Oração a São Miguel Arcanjo
  • Oração para abrir caminhos
  • Oração ao sete Encruzilhada
  • Abertura dos trabalho 2
  • Prece de Abertura dos trabalhos
  • Prece ao Caboclo Sete Estrelas
  • Oração ao Caboclo Ventania
  • Caboclo 7 Pedreiras
  • PRECE A POMBA-GIRA
  • oração a tranca rua das almas
  • Prece ao Pai João da Mata
  • Oração ao Caboclo
  • Oração a Boiadeiro
  • Oração as sete linhas
  • ORAÇÃO DO PAI JOSÉ DE ARUANDA
  • Oração ao Pai Joaquim
  • Oração do baiano Corisco
  • BENZEDURA CONTRA O MAU-OLHADO INVEJA E QUEBRANTO
  • ORAÇÃO PARA BÊNÇÃO DO LOCAL DE TRABALHO OU LAR
  • ORAÇÃO PARA PEDIR FÉ
  • Oração aos Pretos Velhos e Pretas Velhas
  • Oração a Santa Sara Kali
  • Os Filhos de Omolu
  • Ebó para Yansã
  • Comida de Xangô
  • Lendas de Iansã com Ogum
  • Pontos cantados de Pomba-gira em Videos
  • ORIXÁS EXÚ E OGUM
  • Sem Exu não se Faz nada
  • OS FILHOS DE EXÚ
  • Pontos Cantados de Oxala Videos
  • Pontos Cantados de Ogum Videos
  • Pontos Cantados de Oxum Videos
  • Pontos Cantados de Yemanjá Videos
  • Pontos Cantados de Oxossi Videos
  • Galeria de Videos
  • Pontos Cantados de Xangô videos
  • Pontos Cantados de Yansã videos
  • PORQUE OS EXUS RIEM
  • Videos de Preto velhos
  • Cigano Pablo
  • Cigana esmeralda
  • Mensagem de Ogum
  • Ogum Beira Mar
  • Altar na Umbanda
  • A tristeza dos Orixás
  • Amor palavra de ordem na gira
  • AS FALANGES DE TRABALHO NA UMBANDA
  • ASSISTÊNCIA
  • exu não e fofoqueiro
  • ATITUDE INTERIOR
  • BANDEIRA BRANCA DE OXALÁ
  • Cantos e Palmas num Terreiro
  • Como acontece a Gira
  • conduta moral
  • CONDUTA NO TERREIRO DE UMBANDA
  • Conflitos
  • Conflitos Familiares
  • Como ler escutar ou observar e saber se aquilo é
  • Cores e a Umbanda
  • Cumprimentos e Posturas
  • De Olhos Fechados
  • Deus não te Fez para sofrer
  • Deus salve a Umbanda
  • Página em Atualização
  • EGUNS E QUIÚMBAS
  • ELEMENTOS DO TERREIRO DA UMBANDA
  • ENTENDENDO A INVEJA
  • ESPIRITUALIDADE E CONSCIÊNCIA
  • EXPRESSÕES USADAS NA UMBANDA
  • EXU NÃO É DIABO
  • falta de doutrina e de complemetimento
  • Faz caridade fio
  • Os perigos e conseqüências da mediunidade mal orie
  • O DIA DE FINADOS NA UMBANDA
  • Fazer o bem sem ver a quem
  • Os Médiuns são Parceiros
  • Fumos e Bebidas
  • Fundamentação Doutrinária
  • GUIAS E COLARES
  • Hierarquia na Casa de Umbanda
  • Humildade
  • Jogaram uma carga pesada pra cima de mim
  • O maior inimigo da Umbanda
  • Mediunidade na Umbanda
  • Mediunidade um passo de cada vez
  • Mensagem do Caboclo Sete Flechas
  • MIRONGA DE PRETO VELHO
  • Não abandone seu posto de serviço
  • Normas dos Terreiros
  • Nossos Umbigos
  • Linha de Esquerda Exu e ´Pomba-Gira
  • O pequeno universo do umbandista
  • O Perdão Não tem Contra-indicação
  • O Templo Que Vos Acolhe
  • obrigações na umbanda
  • OBRIGADO VOVÔ
  • ORAÇÃO DO UMBANDISTA
  • Orixá de Cabeça
  • Os Caboclos na Lição de Pai João
  • Os Orixás se Manifestam em Nós e Através de Nós
  • Oração de Ogum Xoroquê
  • .